14 de abril de 2020

Andressa Bageston Brasil, advogada trabalha para promover a justiça e a igualdade

A luta da mulher para conquistar seu espaço nas mais diversas áreas é contínua e cresce ao longo dos anos. Por isso é tão importante que existam mulheres que não apenas apoiem essa luta, mas que busquem cada vez mais inserir outras mulheres e garantir seus direitos. Um exemplo disso é a advogada Andressa Bageston Brasil que é Procuradora Jurídica do Município de Não-Me-Toque e também a presidente da Comissão da Mulher Advogada.

Andressa é especialista em Direito Público com ênfase em licitações e contratos e também atua como membro dos Conselhos de Políticas Públicas, entre eles o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente e o Conselho Municipal da Mulher. Sua escolha pelo direito se deu devido ao seu senso de justiça. “Escolhi fazer Direito porque compartilho o desejo de promover a justiça, e aqui falo com destaque para a justiça social que é a busca da construção moral e política baseada na igualdade de direitos e na solidariedade coletiva.”

Há oito anos atuando nessa área, a advogada Andressa se considera uma profissional apaixonada e dedicada no que faz. Com uma boa comunicação e persuasão, ela tem facilidade em interagir com as pessoas. Entre as muitas ações que realiza, o grande diferencial da advogada Andressa é o seu trabalho junto às mulheres. Membro da Comissão da Mulher Advogada, formada por 16 advogadas, ela desenvolve um projeto de grande relevância chamado Somos Todas Marias, iniciado em 2017, o qual consiste em prestar atendimento às mulheres vítimas de violência doméstica. Esse acolhimento ocorre sempre antes das Audiências da Lei Maria da Penha, quando duas advogadas da Comissão da Mulher Advogada orientam e aconselham as mulheres. Esse atendimento e aconselhamento às vítimas é prestado gratuitamente, sendo que em 2017 foram 53 atendimentos, em 2018 – 60 atendimentos, em 2019 – 53 atendimento e em 2020 já são 12 mulheres atendidas. “Esse trabalho contribui para orientar e também para conscientizar as vítimas de violência, quando estamos presentes acompanhando essas mulheres nas audiências, elas ficam mais seguras diante do juiz, conseguem se expressar melhor. Buscamos também o empoderamento dessas mulheres, para que futuramente evitem essas relações abusivas”, explica a advogada.

Toda essa dedicação ao cuidado com a mulher e a defesa de seus direitos levou a advogada Andressa para um congresso nacional. Nos dias 4 a 6 de março, Andressa e sua colega Bruna Grams estiveram participando da III Conferência Nacional da Mulher Advogada em Fortaleza/CE, onde foram em busca de mais conhecimento para desenvolver ações voltadas ao empoderamento da mulher na advocacia e na defesa do direito de todas.

Mas além do trabalho com as mulheres, a advogada Andressa também se dedica à procuradoria jurídica do Município, cuidando da defesa jurídica dos interesses do ente público nas ações em massa. “Muitas coisas me motivam, mas posso destacar na minha área de atuação a defesa dos interesses do ente público municipal, que diretamente também é a defesa dos interesses e direitos de todos os munícipes, os quais usufruem dos serviços públicos como saúde, educação e muitos outros.”

Para a advogada Andressa, a luta das mulheres por espaço em qualquer área profissional é histórica e se concretizou após muitas reinvindicações e protestos. No Direito não foi diferente, hoje as mulheres ocupam cargos que antes eram exclusivos de homens. “É preciso deixar bem claro, onde formos e para quem quer que seja, que nós somos mulheres e escolhemos a advocacia porque somos tão competentes quanto os homens e em nada somos inferiores a esses no desempenho de nossa profissão”, afirma Andressa.

Deixe seu comentário
WhatsApp chat