3 de agosto de 2018

Mate nosso de cada dia

Já está em nosso cotidiano que nem notamos quantas vezes consumimos um bom chimarrão todo dia, mas reclamamos se por algum motivo não tivemos chance em nosso corre-corre diário de saboreá-lo.

Dependendo do local, especialmente aqui no RS, em SC e no PR, a bebida feita com a infusão de erva mate na água quente é chamada de chimarrão. Já nos estados mais quentes como MS, MT e GO, o consumo com água gelada é chamado de tererê e no RJ toma-se o mate gelado. Mas o consumo não é restrito ao Brasil, nossos países vizinhos também consomem muita erva mate, especialmente o Uruguai, Paraguai e Argentina.

O que passa muitas vezes despercebido ao sorver um gostoso mate é a cadeia produtiva desta cultura, que de acordo com o Ibramate, Instituto Brasileiro da Erva Mate, envolve 40 mil agricultores, 200 viveiros de mudas, 500 indústrias, aproximadamente 90 mil ha que produzem 800 mil toneladas de matéria prima para atender um público de 150 milhões de potenciais consumidores.

Além disso, também se destaca a exportação da erva mate, em torno de 43 mil toneladas, equivalente a US$ 80 milhões, tendo principal destino o Uruguai, país com maior consumo per capita: 10kg, com quase 97% do volume. Também tem exportação para o Chile, Espanha, Estados Unidos e Turquia, saindo principalmente aqui de nosso Estado, sendo 69% deste volume de Encantado, seguido por Barão de Cotegipe e Nova Prata.

Estima-se que a cadeia movimenta direta e indiretamente R$ 4 bilhões por ano, mas no momento os produtores de erva mate enfrentam o desafio de se manterem na atividade com a redução de cerca de 30% do consumo e desvalorização do produto. Depois dos ótimos preços entre 2012 e 2014, que motivou muitos produtores a investirem na cultura, agora a remuneração está pouco atrativa.

Há um vasto potencial de crescimento da erva-mate em todo o mundo, pois as pessoas estão despertando cada vez mais para as bebidas naturais e a erva mate é a planta mais completa nos aspectos medicinais, nutritivos, farmacêuticos e estimulantes.

A verdade é que toneladas de erva mate são utilizadas para fazer o delicioso mate de todo dia. Aquele que é amigo, companheiro e muitas vezes um bom pretexto para convidar os amigos e confraternizar, é também uma excelente fonte de renda e depende apenas da organização do setor produtivo para alavancar a produção e a rentabilidade desta cultura. Então, mãos à obra e “bora matear para valorizar”.

Deixe seu comentário
WhatsApp chat