19 de dezembro de 2019

Sacolas sustentáveis contribuem para redução de lixo

Segundo um estudo realizado em março de 2019, pelo Fundo Mundial para a Natureza, o Brasil é o 4º maior produtor de lixo plástico do mundo e apenas 1,2% desse lixo é reciclado. É muito plástico, não é mesmo? E se houvesse uma maneira de você diminuir o seu consumo de plástico, você adotaria? Pois agora há uma bonita, sustentável e estilosa forma de você diminuir o uso de sacolinhas plásticas. Essa alternativa vem de duas amigas do município de Tapera, a Maria Julia Bervian e Eliane Passinato, que tiveram a ideia de produzir sacolas de tecidos mais duráveis para colocar as compras do mercado.

A ideia partiu da funcionária pública aposentada e produtora rural, Maria Júlia, que sempre se sentiu muito incomodada com a quantia de lixo que as pessoas produzem. “A coisa que mais me entristece e irrita é encontrar lixo de todos os tipos jogados por aí. Me sentia muito impotente por não conseguir fazer nada a respeito, ou melhor, não saber o que fazer. A gente sempre acha que precisa fazer grandes coisas ou que a responsabilidade de fazer é dos outros.  Foi então que me dei conta de que eu mesma deveria mudar algumas atitudes em relação a minha produção de lixo. Comecei a buscar conhecimento e alternativas fáceis e práticas. Entre outras coisas, eu criei o propósito pessoal de reduzir, até zerar, as sacolas plásticas que trazia do mercado para casa. Comecei usando sacolas de algodão e sacolas simples de viagem que eu tinha guardado em casa, até que acabei com elas.”

Foi então que a artesã e produtora rural, Eliane, entrou nesse projeto. Maria Julia procurou Eliane para confeccionar uma sacola melhor, grande, durável, prática e bonita para ir ao mercado e também confeccionar algumas sacolinhas pequenas e transparentes para os hortifrúti. O resultado ficou incrível! Foi quando as duas tiveram a ideia de oferecer esse trabalho para o público. Realizaram divulgação nas redes sociais e em pouco tempo as encomendas começaram a surgir.

De junho até agora, elas já comercializaram 76 sacolas e 535 saquinhos hortifrúti, bem mais do que tinham imaginado. “Supomos que cada sacola ecológica dessas que já foram vendidas substitua cinco sacolas de plástico. Se ela for utilizada somente uma vez por semana, em 52 semanas, ou seja, em 1 ano, teremos a redução de quase 20.000 sacolas. E,  se  cada saquinho hortifrúti for utilizado somente uma vez por semana, isso vai evitar o uso de mais de 25.000 saquinhos por ano. Total de mais de 45.000 plásticos por ano a menos no nosso meio ambiente.  Para nós, isso é uma grande vitória”, explica Maria Júlia.

Além do cuidado com o meio ambiente, outro fator que motivou Maria Julia e Eliane a dar sequência nessa ideia foi o projeto Mulheres Cooperativistas em Ação, realizado pela Cotrijal e Sesccop/RS, com apoio da Revista Momento. “Quando recebi o convite para participar do projeto Mulheres Cooperativistas em Ação fiquei muito feliz e já no primeiro dia a Andréia Warken, diretora da Revista Momento, lançou o desafio do método “Vai e Faz”, através do Planejamento Estratégico. Não poderia ter encaixado melhor, parecia que foi direcionado. Não sei bem como explicar, mas foi uma injeção de ânimo na veia e eu tive a certeza de que quero continuar o trabalho que comecei. Tenho certeza que as mulheres são as principais responsáveis pelas transformações a sua volta, boas ou ruins. Temos uma força enorme de influenciar as pessoas que nos rodeiam, companheiros, filhos, amigos, colegas, vizinhos, enfim, temos um poder de influência sem igual”, afirma a funcionária pública aposentada e esposa de associado da Cotrijal.

O que se pode tirar dessa história de empreendedorismo e sustentabilidade é que pequenas atitudes podem contribuir muito para melhorar o mundo. Além disso, a mudança de hábito não gera muito esforço, é apenas uma questão de ajustes no comportamento.

Deixe seu comentário
WhatsApp chat