24 de setembro de 2020

Setembro Amarelo: mês de prevenção ao suicídio

O suicídio é um tabu tão grande que praticamente não se fala sobre ele. Então, é de extrema importância falarmos, informarmos e orientarmos, visto que, é justamente quando não se pode falar sobre algo que este algo ganha mais força. Quanto maior a força do recalque, maior a força da pulsão. Daí a importância de falarmos, sim, sobre a tristeza, a depressão, os lutos não elaborados, a melancolia, a vontade de morrer ou o suicídio.

É um grande erro pensarmos que apenas uma causa específica (como traição ou falência, por exemplo) pode levar a pessoa a uma atitude tão extrema. O suicídio é o ponto final em que chegam pessoas submetidas não a um, mas a vários fatores ao mesmo tempo. Nenhum ser humano quer acabar com sua vida, mas sim, com o sofrimento que está vivendo e que pode estar insuportável. Dados da Organização Mundial de Saúde mostram que 9 em cada 10 suicídios poderiam ter sido evitados.

Portanto, é preciso que possamos suportar escutar minimamente o outro, olhar nos olhos, ouvir as palavras, e recomendar psicoterapia ou até marcar uma consulta com um profissional especializado,  ir junto, levar a pessoa para que ela se sinta mais confortável em ter alguém de confiança por perto, informar o que se passa a amigos e familiares se for necessário, para que eles também possam dar esse suporte. Não para resolver os problemas da pessoa, mas para que a tristeza receba algum acolhimento em nosso laço social.

E se você precisa de apoio, se você se sente mal e chega a pensar em se matar, converse sobre isso. Mesmo que a morte pareça a única solução, converse com alguém, um olhar externo pode mostrar que existem outras alternativas que estavam ali o tempo todo e você não estava enxergando, e procure um profissional que lhe auxiliará nesse momento.

Mitos sobre o suicídio

MITO: Uma pessoa que pensa em suicídio terá risco de se suicidar pelo resto da vida. Isso não é verdade. Ideações e pensamentos suicidas vêm de alguém com sofrimento e podem ser eficazmente tratados, tirando a pessoa de risco.

MITO: As pessoas que falam ou ameaçam se matar não farão isso de verdade, pois só querem atenção, já que quem fala, não se suicida. Esse é um erro gravíssimo. A maioria dos suicidas fala sobre isso ou dá diversos sinais sobre suas ideias de morte. É comum que os suicidas expressem constantemente seu desejo de se matar nas semanas anteriores a ação em si.

MITO: Uma pessoa que pensa em suicídio está determinada a morrer. Ao contrário. Pessoas suicidas normalmente estão com sentimentos ambivalentes sobre morrer ou continuar vivendo. Às vezes, a pessoa torna o pensamento em ação de forma impulsiva, mas gostaria de continuar vivendo. Ter acesso a suporte emocional no momento certo pode prevenir esse comportamento impulsivo.

*Texto escrito por Janaína M. Lash- Psicóloga CRP 07/23706

Deixe seu comentário
WhatsApp chat